Os desafios de curar

Curar em World of Warcraft – uma nova visão sobre o combate

Curar em World of Warcraft nunca foi uma tarefa simples. No entanto, isso não significa dizer que esteja além do alcance de ninguém. O que se deve ter em mente é que seu desempenho influencia de forma mais direta a sobrevivência do grupo e o êxito no combate.

Isto posto, devemos compreender alguns aspectos gerais do jogo. Vamos começar pelas características de cada classe. Independente do conteúdo que esteja sendo explorado, as classes de curadores em geral sempre seguirão suas vocações, essas eu chamo de PARADIGMAS DE CURA.

SACERDOTE

O sacerdote é a única classe que possui duas especializações de cura: Sagrado e Disciplina. O Sacerdote Sagrado é o mais tradicional dos curadores. Possui curas em área instantâneas, curas em área que são conjuradas, cura de grupo emergencial (também chamada de cooldown de raide, embora seja extremamente eficaz em grupos menores). O Sacerdote Sagrado é um curador orientado pela luz e por isso também possuí uma cura na qual o Sacerdote invoca um espírito guardião que zela pelo seu alvo, inclusive podendo se sacrificar por ele.

O sacerdote sagrado tem excelente capacidade de manutenção de grupo com poderosa proteção aos tanques. Ele consegue sustentar uma cura em área muito eficaz e ainda assim sustentar os tanques, embora isso o obrigue a movimentar-se o menos possível. Ele é estático, portanto, tem mais dificuldades em realizar mecânicas de movimentação e sustentar cura simultaneamente. Para ele, um bom posicionamento é a chave fundamental para seu desempenho.

O sacerdote disciplina é um curador híbrido, que depende do seu dano causado para curar. Por conta disso, é um curador que requer uma perspectiva de combate muito pró-ativa e um sólido conhecimento dos combates, de modo que suas habilidades de absorção e prevenção de dano possam se destacar. Ele requer, portanto, um amplo conhecimento da classe para controlar com eficiência os buffs e debuffs que ele aplicará em combate, que deverão ser sistematicamente renovados. A expiação deve ficar o máximo de tempo possível ativa.

Portanto,, ele não está adstrito as suas habilidades de cura, mas se destaca com seus escudos de absorção de dano, conseguindo anular grandes quantidades de dano dessa forma. Sua principal virtude é a diminuição do dano recebido pelo grupo, o que facilita o trabalho dos outros curadores. Sua dificuldade, no entanto é entregar uma quantidade massiva de cura em um curto período, coisa que é especialidade de curadores como paladinos, sacerdotes sagrados e monges.

DRUIDA

Provavelmente o mais versátil dos curadores. O druida possui muitas virtudes para grupos grandes ou pequenos. Possui excelente controle de ambiente, possui uma das melhores sobrevivências entre as classes de curadores (Em situações de emergência, o druida pode se metamorfosear em urso e absorver enorme quantidade de dano). Possui também uma sustentação de grupo excelente e grande apoio aos tanques, além de ter uma habilidade de ressuscitar, em combate, um aliado morto.

O paradigma de cura do druida é o chamado “hot” (heal over time) ou cura periódica. A base da cura do druida é a sustentação do grupo por intermédio de curas curtas e periódicas, que permanecem no alvo. Para lutas com dano continuado, esse suporte tem um efeito poderosíssimo.  O druida também possui um cooldown de raide excepcional. O druida deve se focar em espalhar suas curas periódicas nos aliados feridos e mantê-las ativas a maior quantidade de tempo possível.

A fraqueza do druida está no preço que ele paga numa situação em que a luta exija uma massiva quantidade de cura em curto prazo. Ou ele não consegue fazer isso bem como outras classes, ou ele perde uma enorme quantidade de mana.

PALADINO

O paladino, assim como o sacerdote, é um curador orientado pela Luz. Nesse caso, ele possui habilidades de sacrifício próprio em prol dos aliados. No entanto, o paladino tem como paradigma a inspiração de seus companheiros com sua presença e suas auras no grupo. O paladino é conhecido por ser um poderoso suporte aos tanques, que eu considero inigualável. Nenhum outro curador é tão eficiente em manter tanques vivos quanto um paladino.

O paladino, por usar placa, pode ficar junto com os causadores de dano corpo a corpo e possui uma boa quantidade de habilidades defensivas. A sobrevivência do paladino é similar a de um druida, pois ele possui habilidade de imunidade a dano. Portanto, o paladino é o mais indicado para dar suporte aos tanques e aos causadores de dano corpo a corpo.

No entanto, o paladino é mais uma vez um curador de alvo único. Ele sofre para entregar altas quantidades de cura em área em curto prazo. Nesse caso ele tem suas auras que dão um suporte contínuo, habilidades de cura por proximidade e a possibilidade de reduzir a recarga de suas habilidades causando dano.

Quando existe a necessidade de uma cura do grupo, ele precisa usar uma combinação de habilidades atender a todos e mesmo assim isso requer um pouco mais de trabalho em comparação a outros curadores. Ademais,  assim como o sacerdote disciplina, o paladino pode ajudar na ofensiva, ainda que sua cura não dependa disso diretamente.

XAMÃ

O xamã é um curador extremamente útil para o grupo. Nenhum outro curador tem a capacidade de sustentar um grupo sozinho por mais tempo que um xamã. Ele possui curas em área extremamente eficazes, rápidas e é capaz de salvar ambos tanques ao mesmo tempo. Em lutas com reflexão de dano ou dano em área intensos, o xamã é incomparável com o poder de seus totens. A maestria do xamã lhe permite ter mais curas críticas em alvos com menos pontos de vida, ou seja, quanto pior estiver o alvo, mais forte será a cura do xamã nele, além de lhe conceder bônus temporário de vigor.

Seu paradigma de cura está no poder (seja passivo ou ativo) dos totens, da chuva curativa e na cura em área. A cura em alvo único é competente, porém circunstancial. O xamã não possui grandes deficiências, salvo por não ser tão rápido em suas respostas e sua cura em alvo único que debilita demais o mana. Se outros curadores no grupo forem mais rápidos (druida e/ou monge), o xamã ficará mais na retaguarda, somente aparecendo em situações de dano realmente intenso.

MONGE

O monge é o curador mais equilibrado de todos. Ele possui um pouco de bom de todas as classes e talvez isso também lhe seja um defeito, pois ele não é o melhor em nenhuma delas. A virtude do monge está na resposta instantânea de suas curas, potencializadas pelo chá do foco do trovão, pela gratuidade de mana de algumas curas e por sua movimentação privilegiada.

O paradigma de cura do monge portanto é um pouco nebuloso. Ao mesmo tempo que ele tem muita eficiência com curas periódicas (nesse ponto o monge é o curador mais parecido com o druida que existe, se opondo antagonicamente ao sacerdote e ao paladino), ele possui um escudo de absorção de dano razoável para alvo único e possui sustentação de cura em área periódica muito satisfatória.

O monge deve escolher entre ser um curador de tanques ou do grupo, pois fazer ambos simultaneamente para o monge é um problema, devido ao alto custo de mana. Caso ele seja um curador de tanques, ele consegue dar um suporte excepcional aos tanques com o apoio da Estátua de Jade. Com o funcionamento atual da Bruma Calmante, o monge tornou-se um curador em alvo único extremamente competente.

CURA EM RAIDE

Independente da classe de curador, a cura em raide requer certa estratégia e certa premeditação. O bom curador de raide conhece as lutas e consegue prever quando usar suas habilidades. Como o curador não tem essencialmente uma rotação, é fundamental que o curador conheça na íntegra suas habilidades de cura e a interação delas com suas habilidades passivas para que possa escolher a habilidade adequada para cada necessidade.

Conhecimento é poder! O curador deve conhecer a relação entre custo de mana/cura realizada de suas habilidades, as mecânicas das lutas e também o seu grupo. Conhecer os jogadores que são mais vulneráveis e mais resilientes é fundamental.

O curador de raide jamais deve deixar o tanque desprotegido, ele é sim sua prioridade, ainda que em dado momento das batalhas você terá de focar outro jogador. Os outros curadores também são prioridade. Embora eles tenham a capacidade de se curar, se estiverem em situação de perigo devem ser socorridos imediatamente.

A questão é simples. O prejuízo matemático da perda de um aliado em combate varia de acordo com sua função. Perder um tanque representa perder 50% da proteção do grupo e a impossibilidade da troca de ameaça, que é uma mecânica obrigatória em praticamente todas as lutas de raide. Nesse caso o tanque sobrevivente receberá, ao longo do tempo, uma quantidade de dano cada vez maior, a ponto de não suportar e perecer, causando um wipe.

Perder um curador representa uma queda na cura do grupo em torno de 20%. Isso sobrecarregará os curadores sobreviventes, obrigando-os a gastar mais mana e mais habilidades com tempo de recarga alto, que farão falta no transcorrer da luta.

No entanto, a perda de um causador de dano é um impacto consideravelmente menor, girando em torno de 10%. É uma perda considerável em lutas de progressão ou de corrida de dano e deve sim ser evitada. Para isso existem os escudos de absorção de dano. Eles devem ser prioritariamente usados nos tanques, no entanto um casulo de vida lançado em outro curador ou um causador de dano pode lhe preservar uma enorme quantidade mana e outras habilidades em médio e longo prazo durante o combate.

Ainda assim, caso aconteça a morte de um aliado, o mais sensato é verificar a situação da luta, se os tanques ou outros curadores estão suportando bem o dano ou se estão em risco. Uma ressurreição em combate mal utilizada pode representar uma derrota do grupo, portanto é uma decisão que deve ser prioritariamente tomada pelo raide leader ou por um oficial destacado para tal função.

Os causadores de dano e os outros curadores em tese só receberão dano em circunstâncias específicas: Habilidades em área do combate, mecânicas específicas ou erro de posicionamento (compartilhar dano com o tanque, subir no fogo, ou em algum obstáculo do cenário). Sendo assim, os causadores de dano, ainda que não sejam a sua prioridade, devem receber cuidados quando estão cumprindo mecânicas ou quando erram.

Todos no grupo erram. Não existe uma luta 100% perfeita de todos do grupo, portanto, jamais negligencie um aliado “porque ele errou a mecânica e merece morrer, minha mana é dos tanques”. Esse é um pensamento danoso ao grupo. Você pode e deve chamar a atenção de algum outro jogador cometendo erro: “Fulano, saia do fogo, Ciclano, saia da frente do boss, etc”. Só negue cura a um jogador que ignorar esse tipo de aviso.

Como você não está curando sozinho, você pode trocar de alvo ou acompanhar um grupo fazendo uma mecânica, pois você terá outros curadores te ajudando e curando aqueles alvos que você não consiga. Um bom entrosamento entre os curadores facilita a vida de todos.

O curador deve também estar atento a efeitos maléficos aplicados a aliados. Dissipar “debuffs” faz parte da mecânica de cura das lutas e jamais deve ser negligenciada. O correto entendimento de quais “debuff” devem ser dissipados é obrigação do curador.

PERFIL DE CURADOR

Existem estilos de curador e nesse aspecto não existe certo ou errado, existe aquilo que você se sente bem fazendo e existe o resultado que você obtém.

Existem curadores que usam addons para cura e efetuam suas curas pela interface de raide do jogo e tem jogadores que usam curas via “mouseover”.

Curadores iniciantes devem optar por aquilo que lhes for mais fácil, pois a simplicidade é uma qualidade admirável. Existem addons como o Healbot e o Clique, que vinculam as habilidades de cura à teclas de atalho. Nesse caso, você deve vincular todas suas habilidades de cura no addon, deixando somente cooldowns de raide em atalhos fora da interface da raide, e sim em uma tecla específica do mouse ou do teclado, para que você não corra o risco de errar um click e queimar uma habilidade por engano.

A interface, independente do teu gosto deve ser absolutamente funcional para você. Se você pensa e NÃO consegue executar rapidamente o que você pensou, sua interface está com problemas e precisa ser revista. Existem inúmeros addons de interface que podem facilitar sua vida. Sua interface é fundamental para seu desempenho.

Habilidades de emergência e aquelas que você com mais frequência devem estar com fácil acesso e visíveis para que você possa monitorar eficientemente sua recarga sem perder o foco do confronto. Ficar olhando para a barra de habilidades pode te matar. Jamais abaixe a visão para as barras de habilidades e tire os olhos da luta.

Esqueça por completo dos canais de conversa e interação no jogo (chat da guilda, canais globais, etc) durante os combates. Curador desatento mata seus aliados. O curador tem que ser muito mais focado que os causadores de dano. Um causador de dano desatento pode bater menos, errar uma mecânica, morrer e eventualmente até matar o grupo, mas a penalidade para um curador desatento é muito maior para o grupo.

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS

Administrar a mana é fundamental para o sucesso do curador. Ficar sem mana no meio da luta e assistir o restante é um péssima ideia. Não tenha o pensamento “Ah, eu já curei muito, vou deixar que os outros curem agora”. Isso pode causar a derrota de todos. As lutas requerem um esforço coletivo homogêneo dos curadores durante todo o combate, porém existem lutas em que a última fase requer que todos os curadores estejam vivos e em condição de despejar massivas quantidades de cura. Existem diversas mecânicas que aumentam o dano causado pelo boss com o transcorrer do tempo. Se você gastar tudo no começo, pode fazer com que outros curadores realizem demasiada sobrecura, desperdiçando mana que fará falta no final.

Não saia explodindo seus cooldowns de cura na raid loucamente. Espere pelo pedido do raide leader ou outro oficial que seja encarregado dessa função fazê-lo. Se existe alguém coordenando isso, você queimar um cooldown fora de hora pode causar um problema em um momento no qual o seu cooldown seja requisitado.

Não ressuscite a esmo jogadores mortos. Não ressuscite um jogador que você deixou morrer porque se distraiu ou não viu ele morrendo. A ressurreição de um aliado deve ser guardada para um tank e/ou para outro curador e geralmente existe também alguém coordenando isso. Ao receber o pedido para ressuscitar um aliado, faça-o o mais rápido possível, pois o atraso nisso pode ocasionar outra morte ou a falta do dano causado pelo jogador morto.

Lembrando que isso é apenas uma visão geral e que não há aprendizado melhor que a prática. O campo de testes para o curador é uma boa escola, ainda que hoje em dia ele não esteja mais sendo atualizado. Conteúdos de baixa responsabilidade também são interessantes para quem está começando, mas não devem se tornar foco. Pense grande!

Que a Serpente de Jade cuide de ti!

Botão Voltar ao topo
Fechar