Crônicas

Tumba de Sargeras – Histórias e Desafios

Olá Azeroth!

Após praticamente 50 dias de incursão na Tumba de Sargeras, trazemos hoje as impressões e a avaliação do conteúdo final do Patch 7.2.5.

Resumo histórico

A Tumba de Sargeras era na verdade um Templo de Eluna da ancestral cidade de Suramar. Durante a Guerra dos Ancientes, Elisande usou os Pilares da Criação para Selar o templo e impedir o acesso da Legião. Com a cisão, parte do templo foi submersa e destruída.

824 anos antes da abertura do Portal Negro ocorre a batalha entre Aegwynn, a guardiã de Azeroth e o Avatar de Sargeras. Saindo vitoriosa, Aegwynn decide sepultar os restos do Avatar num local onde não pudesse ser perturbado. Ela decide sepultá-lo em Suramar, devido à forte proteção mágica que o local possuía. O local mais adequado é a porção submersa do Templo de Eluna, sob a proteção dos encantamentos e travas do Templo.

O que Aegwynn não percebeu é que, durante a batalha, aproveitando-se da sua fragilidade, Sargeras se infiltrou no seu corpo, deixando nela parte do seu poder. O espírito de Sargeras então passa a influenciar a guardiã e causar uma série de problemas, que culminam no seu afastamento do Conselho  de Tirisfal. Posteriormente, Aegwynn dá a luz a Medivh e este recebe também a influência do titã corrompido.

Sob essa influência, ele contacta Gul’dan em Draenor e abre o Portal Negro, pois Sargeras queria enfraquecer Azeroth com a guerra. Gul’dan então se afasta da Horda com alguns seguidores e ruma para a Tumba de Sargeras, em busca de um poder inimaginável.

No entanto, ele encontra na Tumba alguns demônios seguidores de Sargeras aprisionados pelos selos mágicos, mas ainda fortes o suficiente para trucidá-lo. Os poucos seguidores de Gul’dan que conseguem fugir, recuperam seu crânio acreditando que ele carregava grande poder.

Paralelamente, após a queda de Arquimonde em Draenor na Cidadela do Fogo do Inferno, o Gul’dan do universo alternativo (vide história da expansão Warlords of Draenor) consegue fugir para Azeroth a vai à caça da Tumba de Sargeras.

Nesse momento então ele abre os portais para uma nova invasão da Legião, utilizando os poderes da Tumba. Com os Pilares da Criação em mãos, nossos heróis então investem contra a Catedral da Noite Eterna, que na verdade corresponde às câmaras superiores da Tumba. Hadggar, baseado nos escritos deixados por Aegwynn, descobre que as proteções da Tumba podem ser ativadas com o uso da Égide de Aggramar em um altar da Catedral.

Nesse confronto, cai Mephistroph, o Nathrezim que é o Comandante das Forças da Legião Ardente nas Ilhas Partidas. Restabelecendo as proteções, é hora de investir contra a ocupação da Legião Ardente na Tumba de Sargeras.

A Raide

Tumba de Sargeras possui 9 chefes, Goroth, Inquisição Demoníaca, Harjatan, Senhora Sassz’ine, Irmãs da Lua, Anfitrião Desolado, Donzela da Vigilância, Avatar de Sargeras e Kil’jaeden. Este último, no entanto, é confrontado sobre uma nave da Legião Ardente, na Espiral Etérea.

A dificuldade normal da raide não impõe grandes dificuldades, salvo pelo requisito de equipamento que qualquer conteúdo final exige. As mecânicas são de certo ponto de vista, bastante permissivas com erros, salvo algumas exceções. No entanto, Kil’jaeden, mesmo no normal já representa um desafio maior e exige bastante coordenação do grupo.

A corrida pelo “world-first” do Kil’jaeden no mítico foi a mais longa desde Al’Akir, no Trono dos Quatro Ventos (Cataclysm). A luta é extremamente difícil e exigiu mais de 600 wipes para ser finalizada. Tumba de Sargeras, depois de muitas raides, em nível mítico, é considerada realmente desafiadora, realmente difícil.

Hoje nos reinos brasileiros as guildas estão sofrendo bastante para derrotar a Senhora Sassz’ine, mesmo que a Blizzard tenha mexido em algumas mecânicas nas últimas semanas. Outro chefe que promete barrar muitas guildas é o Avatar de Sargeras, que também representou grande dificuldade para as guildas que já fecharam o conteúdo.

Do ponto de vista estético, a Raide é extremamente bonita a partir das Irmãs da Lua, onde as salas do Templo de Eluna se mostram realmente primorosas. A sala da Donzela da Vigilância já mostra uma arquitetura titânica linda, assim como o repouso do Avatar de Sargeras.

Essa é a penúltima raide da expansão, mas já podemos dizer que Legion tem sido um sucesso muito maior de crítica e público que Warlords of Draenor. Toda expansão tem seus problemas e suas críticas, mas Legion tem se saído bem melhor e já começa a engatar os primeiros rumores para a próxima expansão.

O patch 7.3 está no RTP e está evoluindo muito rápido, razão pela qual seja possível dizer que chegará aos reinos definitivos em breve. Enquanto isso, o final da campanha na Tumba premia os jogadores com uma lore extremamente atraente, pois a queda de Kil’jaeden culmina na aproximação de Argus a Azeroth.

Em breve trago os boatos do que está por vir!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo