Crônicas

O princípio do fim da Eternidade

Olá Azeroth!

Hoje falaremos sobre o princípio do fim da campanha no Sepulcro dos Primogênitos. Com a libertação de Anduin, os heróis partem juntamente com o Prócer, para compreender melhor a resistência oferecida pelos automas à magia da dominação.

Testando os efeitos dos fragmentos do Elmo da Dominação, eles descobrem então que a liguagem fractal dos Primogênitos permite que, quanto mais complexa for a criatura e sua linguagem, maior sua resistência à Dominação.

Com essa compreensão, o Prócer então decide reforjar o Elmo da Dominação, transformando-o em algo diferente e contando com a ajuda de importantes figuras, como Dárion Morgraine e Anduin Wrynn. Este último, ainda abalado pela magia da Dominação, recebe orientação de Sylvana Correventos para extrair de si a resistência que será imbuída no novo Elmo.

Sylvana mostra a sua perspectiva em relação a Arthas, sobre o momento que ela conseguiu alvejá-lo e se libertar de seu elo de dominação. Após essa infusão, eles partem para Thanator, onde o Prócer forja a coroa das vontades, que é o símbolo da resistência contra a dominação, um instrumento que garante o livre arbítrio de todos e sela o fato de que nenhum Lich Rei reinará novamente sobre a Coroa de Gelo.

A coroa então irradia uma onda de poder que concede resistência à magia de dominação para todos presentes, permitindo que os heróis então marchem na direção de Zovaal. De volta ao Sepulcro, os heróis investem contra os chefes finais da raide. Sobre eles, teremos um post específico, pois é o fim de um grande ciclo no jogo que permitirá que haja um novo rumo para a próxima expansão.

Nos vemos em breve!

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo