Crônicas

Shadowlands: Uma redenção para Arthas Menethil?

Olá Azeroth!

Hoje vamos falar do que a animação Pós-vidas: Bastião pode representar para o enredo de Shadowlands a respeito de um personagem específico. Arthas Menethil. Lembrando que abordaremos alguns spoilers e que faremos especulações sobre o futuro. Se você não está preparado para spoilers, não prossiga.

Na animação divulgada semana passada, vimos Uther jogar a alma de Arthas na Gorja, em nome de uma “justiça”. É bom, nesse momento, lembrar que o próprio Uther, em Warcraft III, adverte Arthas para não buscar a vingança.

Dito isso, devemos nos lembrar que em toda a trajetória de Arthas em Warcraft III tem como premissa salvar o povo de Lordaeron da ameaça do Flagelo e da Praga. Ele aceita a maldição da Gélido Lamento com uma única coisa em mente: Matar Mal’Ganis.

Ele persegue esse objetivo com obstinação e para isso comete inúmeras atrocidades, até que, em poder da espada, caminha firmemente para se tornar o Lich Rei.

O que na época não restou claro, é até onde ia a humanidade de Arthas e a partir de onde ele estava sob o controle de Ner’zhul e posteriormente, sob a influência do Elmo da Dominação. 

Hoje, sabemos que o equipamento do Lich Rei foi feito em Shadowlands, na Gorja e contém o poder do Carcereiro em si. Bolvar mesmo, durante as missões que foram realizadas no Beta, afirma que existe uma voz, um poder que atua através do Elmo e que ele resistiu ao mesmo o tempo todo.

Essa voz é sem dúvida do Carcereiro, que pode estar por trás de toda a invasão do Flagelo em Warcraft III, usando os seus poderes para influenciar Ner’zhul e depois, Arthas.

Paira no ar, portanto, a imputabilidade de Arthas em tudo que ele fez desde que começou a perseguir Mal’Ganis. A princípio, sua obstinação e sua imaturidade, o levaram de encontro a uma trama bem maior e ele acabou como instrumento do poder do Carcereiro.

Sob essa ótica, o que Arthas merece, minimamente é um julgamento. No entanto, isso lhe foi negado no momento em que Uther, juntamente com Devos, atiram sua alma na Gorja, sem que ele passe pelo Árbitro.

Um contraponto importante é que inúmeras almas extremamente perversas são encontradas em Revendreth, inclusive a de Kael’thas Andassol.

Pelo que pudemos entender de tudo que foi dito, sempre haverá uma última chance da alma não ser condenada à maldição eterna da Gorja e Revendreth seria esse último passo. Quem não se redimisse lá seria então condenado à Gorja.

Uther chegou ao Bastião incompleto, afinal sua alma havia sido partida no golpe desferido por Arthas. Essa é a razão para que ela tenha uma ferida. O coração de Uther ficou aprisionado na lâmina. 

Sua alma partida, desprovida de um coração, está amarga e repleta de rancor, desejando conflituosamente, vingança. O motivo pelo qual Uther não consegue se desprender do seu passado é justamente o conflito entre o perdão e a vingança. Justiça é apenas uma parte dessa disputa.

Devos conhece o Árbitro e sabe que ele poderia enviar Arthas para Revendreth. Ela sabe que não pode se dar ao luxo de deixá-lo a disposição do julgamento. Portanto, ela age para capturar a alma de Arthas antes que ela chegasse até o Árbitro. 

Movida tanto pela indignação do sofrimento de Uther, quanto pelo rancor e pela frustração de ter seus avisos ignorados pela Arconte e pelos outros Kyrianos, ela age por conta própria, ascendendo Uther sem que ele estivesse pronto para isso e lhe promete o direito de se vingar de Arthas.

Devos tinha plena consciência de que se tratava de vingança e Uther, uma última vez, mentiu para si mesmo, dizendo que se tratava de justiça e atirou Arthas na Gorja.

Nesse momento, no qual Frostmourne já havia sido partida, é provável que a parte faltante da alma de Uther já estivesse em sua jornada em direção ao mesmo. Essa é a provável razão pela hesitação que ele demonstra uma última vez. Devos incita-o uma última vez rumo à vingança.

Arthas foi jogado na Gorja sem o devido julgamento e está lá desde então. Não se tem notícia de que tipo de sofrimento ele tem passado. Um dos temas abordados pela Blizzard é que haverão missões de resgate de almas que estão indevidamente na Gorja.

Portanto, é fácil presumir que nós teremos a missão de resgatar Arthas da Gorja. Em que momento da expansão isso se dará, é difícil especular. Entretanto, é seguro dizer que não cabe a nós lhes dar uma redenção pelo que ele fez. 

Sua alma deve percorrer os caminhos das Shadowlands, que nesse momento estão completamente distorcidos e ao que tudo indica, existem problemas e coisas que não estão funcionando adequadamente desde muitas eras e tudo culmina nos acontecimentos dessa expansão.

O que provavelmente será nosso papel não será conceder redenção, mas sim, conceder-lhe um julgamento adequado no qual ele poderá buscar sua própria redenção. Caberia a Arthas uma nova oportunidade de enfrentar Sylvana Correventos em Shadowlands?

Seria esse o grande medo de Sylvana? Seria por isso que ela temia que Bwomsandi vivesse? Porque ele saberia os meios para resgatar seu Nêmesis e o ser que ela mais odeia no cosmos?

Veremos…

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo